CABO FRIO É NOTA 10 EM TURISMO

cabo frio turismo

Todos sabem o que tenho passado enfrentando uma verdadeira tempestade para administrar uma cidade que perdeu quase a metade de seus recursos. Contudo, uma notícia encheu o meu CORAÇÃO DE ALEGRIA E ORGULHO. A confirmação que Cabo Frio está entre as melhores cidades turísticas do país e entre as cinco melhores do estado do Rio com a classificação “A”. Ou seja: Cabo Frio recebeu a NOTA MÁXIMA. O estudo técnico é do Ministério do Turismo e referendado pelo Tribunal de Contas da União e do Senado Federal. A turbulência político-econômica que afeta nosso país ficou mais grave com a queda na arrecadação do petróleo. É preciso esforço redobrado para manter os serviços essenciais funcionando. Isso todos sabem e estão vivenciando. Estados com pagamentos atrasados e até parcelando o salário dos servidores. Entre tantas notícias desanimadoras, sempre aparece uma injeção de ânimo para que possamos continuar trabalhando pelo bem de nossa Cabo Frio. Essa notícia, repito, encheu o meu coração de alegria!

Ora, não se faz uma cidade da noite para o dia. É preciso muita dedicação e olhar atento para o futuro. Foi exatamente o que eu fiz como um homem público visionário e comecei a trabalhar incansavelmente! Tanto na infraestrutura, quanto na divulgação. Calçamos ruas, asfaltamos e urbanizamos quase toda a cidade. Construímos Hospitais, Postos de Saúde, Escolas. Limpamos a cidade e a transformamos em orgulho para os cabo-frienses ao vê-la classificada como “A CIDADE MAIS LIMPA DO BRASIL”. Construímos a Nova Ponte, as Novas Entradas, o Boulevard Canal, o Shopping da Rua dos Biquínis, tapamos os valões, urbanizamos todas as orlas.

NOSSO SONHO (que muitos julgavam loucura) foi realizado ao construirmos o AEROPORTO INTERNACIONAL. Brigamos muito, mas conseguimos colocar Cabo Frio na rota dos Navios de Luxo. Não paramos por aí, organizamos e colocamos no mapa turístico o maior RÉVEILLON do Estado (depois de Copacabana) e um dos maiores do país. Investimos muito em Feiras de Turismo, Workshops e Famtour com jornalistas especializados e agentes de turismo. Lamento que nosso projeto de desenvolvimento tenha sido interrompido por oito anos quando nenhuma construção foi realizada. Um retrocesso!

A classificação revelada agora pelo Ministério do Turismo comprova que todo nosso trabalho sempre esteve no rumo certo. Cabo Frio é cidade classe “A” em Turismo. Número de estabelecimentos de hospedagem, número de empregos formais ligados ao turismo, estimativa de turistas de demanda doméstica e internacional, entre outros fatores formam a categorização. A população e os empresários do TRADE turístico podem comemorar.

Bem, o resultado de nossa “loucura” lá atrás é certificado agora e temos uma cidade com potencial turístico enorme para trabalhar. A infraestrutura está pronta. Cabe agora à sociedade, moradores, empresários e hoteleiros também arregaçar as mangas e focar o trabalho na conquista de turistas e visitantes de qualidade. A beleza natural e a generosa geografia Deus nos deu. O Poder Público fez a sua parte e já foi reconhecido. Apesar de, atualmente, o povo demonstrar que esqueceu tudo o que fiz e me culpar pelo que não consigo fazer motivado por uma CRISE que não criei. Contudo, é hora de todos trabalharem muito mais por Cabo Frio.

POR LUCIANA G. RUGANI

É muito importante que os cidadãos se interessem pela história do desenvolvimento de suas cidades, principalmente no caso de Cabo Frio que, em poucos anos, sofreu uma transformação gigantesca. A cidade transformou-se a partir do incremento da atividade turística em sua economia. E, é impossível falar do desenvolvimento da cidade sem citar o nome do prefeito Alair Corrêa.

Em seus governos anteriores, essa transformação se acelerou. Foi uma gestão que primou por grande avanço em curto espaço de tempo, um verdadeiro “boom” de desenvolvimento. Bairros inteiros foram urbanizados, avenidas foram abertas, a cidade ganhou destaque no turismo nacional e internacional.

E deu-se em boa hora a lembrança aqui da abertura das duas entradas da cidade e também do aeroporto e do terminal de transatlânticos, pois estas obras revelam seu perfil de administrador que, além de promover o melhor em seu município, preocupou-se em iniciar a preparação da cidade para essa fase que vivemos atualmente, a fase de pós-royalties.

Hoje o turismo é a principal fonte de desenvolvimento econômico do município, e, se não fossem estas obras realizadas por Alair, a situação poderia ser gravíssima e talvez sem solução. Seu perfil de homem de visão e administrador que enxerga além ficou registrado na história do desenvolvimento de Cabo Frio quando construiu uma cidade melhor para seus cidadãos sem perder de vista o amanhã. E isso nada poderá apagar.

PARA RELEMBRAR – REALIZAÇÕES

Canto do Forte

image

Nesse cantinho onde a água do mar costuma ser mais quente e mais calma, o meu governo realizou uma das obras mais importantes de urbanização da orla. O lugar foi totalmente urbanizado com a construção de estacionamento e padronização dos quiosques. Lá está localizado o Forte São Matheus, construído em 1620 para impedir a passagem de embarcações inglesas, francesas e holandesas que vinham em busca do pau-brasil. Construído apenas com cal e pedra, o Forte tem cinco compartimentos: o paiol, o alojamento, a sala de comando, a cozinha e a prisão. Hoje, é motivo de orgulho, tanto para a população quanto para os visitantes. Foi na minha administração que o Forte, tombado pelo Patrimônio Histórico em 1957, foi totalmente reformado. A casa, que servia de abrigo para os soldados, foi transformada em espaço cultural para a exposição de quadros e artesanatos de artistas locais. Uma iluminação especial, que muda de cor a cada estação, faz parte da paisagem deste monumento histórico, o que lhe confere e à cidade um charme singular.

Desembarque de Transatlânticos

image

A inclusão de Cabo Frio na rota dos transatlânticos que visitam o litoral brasileiro durante o período do verão projeta o município no exterior, além, é claro, de trazer mais recursos para a cidade. Para a chegada dos transatlânticos, desenvolvemos e executamos com recursos municipais um projeto de construção de uma estação de desembarque para os passageiros. Construída no final da Avenida Assunção para receber os turistas, a estação possui lojas para a venda de artesanato e produtos típicos, lanchonete, aduana, posto de informações e sanitários. Os passageiros desembarcam na Praia do Forte onde os transatlânticos ficam ancorados. Barcos especiais, disponíveis nos próprios navios, fazem o transporte dos turistas através do Canal do Itajurú até a Estação de Desembarque. Os turistas ficam aproximadamente doze horas em terra e, segundo dados da Embratur, gastam em média R$300,00 por pessoa. Cada navio tem capacidade para transportar aproximadamente 1.300 passageiros. O Island Escape foi o primeiro transatlântico a aportar em águas cabo-frienses abrindo a temporada de verão de 2004.

Estação de Embarque de Turismo

image

Ao idealizar uma Estação de Embarque de Turismo, resolvi que iríamos construir a réplica da antiga estação de 1917, demolida em meados do século passado. A nova Estação foi construída no Boulevard Canal, no Centro de Cabo Frio e veio integrar o projeto urbanístico da cidade. O Terminal de Passageiros foi inaugurado em 2000 e propicia o embarque com mais conforto e segurança não só das pessoas que fazem o passeio marítimo pelo Canal do Itajurú até a Boca da Barra, mas também das pessoas que realizam esse trabalho. A Estação construída com recursos municipais é administrada pela Cooperativa dos Administradores da Navegação de Turistas e Passageiros. Agentes da Guarda Marítima, criada no meu governo, também trabalham no terminal fiscalizando o embarque dos passageiros e acompanhando os passeios para dar mais segurança à população.

DETERMINAMOS E FOMOS ATENDIDOS, OBRIGADO A TODOS OS AMBULANTES!

Praia do ForteFoi muito bom ver, agora pela manhã, nossa Orla e ruas de acesso à nossa praia completamente livres das mais de 1.000 barracas que, por três meses, foram instaladas para os milhares de ambulantes trabalharem. Algumas pessoas criticaram o governo por ter permitido tantas barracas instaladas em nossa cidade. O que podemos dizer é que seria desumano, com tantos desempregados e outros que ganham pouco e precisando de uma ajuda no orçamento familiar, não poderem trabalhar. Foi por isso que permitimos que todos trabalhassem. Sem citar que economizamos DOIS MILHÕES DE REAIS, que em anos anteriores pagavam a contratação de 500 homens encarregados da fiscalização desse serviço.

Ou seja , uma economia de 2 milhões de reais e a permissão que milhares de famílias melhorassem sua renda. Todos com seus carrinhos e barracas puderam trabalhar e ganhar o seu dinheiro. Nossa cidade volta a sua vida normal, com ruas desempedidas e mais limpas. Voltamos a cuidar do lixo produzido pelos 200 mil moradores e não 400 mil que foi o número que tivemos de visitantes nos últimos três meses.

Obrigado ao Lobato que, com poucos homens, fez o impossível já que os concursados não quiseram trabalhar no carnaval. Obrigado aos ambulantes que atenderam ao nosso pedido tirando suas barracas ontem à noite.

É bom ver nossa cidade bonita como fica fora do verão.

Até amanhã,
Alair Corrêa

ESTAMOS TRABALHANDO O TURISMO COMO REDENÇÃO ECONÔMICA PARA NOSSA CIDADE.

Temporada de Transatlânticos em Cabo Frio - 01

Hoje, nosso cartão postal está diferente de todos os outros desses nossos 400 anos. Pela primeira vez, temos dois transatlânticos fundeados em nossa Praia do Forte. Sonhei muito com esse quadro e como esperei por ele; só que o calo apertou, provocou dores e tive que sair da cômoda posição de espera por termos o “ouro negro” (petróleo) e ir à luta em busca dos transatlânticos e de novos contatos, também buscando o centro de convenções.

Sabemos que dentre tantas alternativas, o turismo náutico e o de negócios deverão ser nossa saída da crise e nossa independência econômica. Estamos trabalhando junto à Marinha pela aprovação de mais dois pontos de fundeio: já licitamos a reforma do terminal para passageiros dos transatlânticos (exigência das empresas que operam o serviço) e o aumento do Deck para aportarem mais catamarãs. Já conseguimos, para a temporada que começa em setembro, só com uma operadora, mais 33 Transatlânticos com os pacotes já sendo vendidos.

Essa é a primeira grande vitória desde o início da crise do petróleo, mas Deus está mudando mais uma vez nossa história. ELE é realmente magnífico, extraordinário!

Temporada de Transatlânticos em Cabo Frio - 02

– Agradeço ao amigo Frederico Santa Rosa pelas lindas fotos.

SEM PETRÓLEO O CAMINHO É O TURISMO!

Prefeito Alair Corrêa

Esse momento não é para estarmos buscando culpados pela situação delicada que estamos passando em Cabo Frio. Temos que lembrar que a crise do petróleo é internacional, pois trata-se de uma briga entre os países produtores. Já aqui no Brasil, temos como agravante o escândalo da Petrobras. Lembramos que juntos esses dois acontecimentos quase faliram nossas cidades.

No entanto, se não somos responsáveis pela queda dos ROYALTIES, no entanto, temos responsabilidade por não termos preparado o município para esse tipo de problema. Por isto, nós, os políticos cabofrienses, somos sim culpados.
É simples entendermos: tivemos muito dinheiro e não aplicamos em outras atividades, como por exemplo, no turismo. É verdade que, nem com bola de cristal, poderíamos enxergar que um dia a Petrobras pudesse ser saqueada como foi por esses criminosos. Mas já quanto a queda no preço do barril do petróleo e quanto à crise no mundo era tudo bem previsível. Entretanto, nesses anos de royalties, ficamos acomodados e nada fizemos.

O recebimento dos royalties começou em 1987 e os prefeitos desses 30 anos que a cidade viveu dessa receita, além de mim foram , pela ordem prefeitos: Dr. IVO SALDANHA, JOSÉ BONIFÁCIO e MARQUINHO MENDES. E não venham com essa conversa de que eram menores as cotas, pois o recebimento começou no último ano do meu primeiro mandato e ainda assim deu para fazer em um ano um hospital, 300 casas no Manoel Corrêa, um Estádio de Futebol (Correão), a Orla do Mangue até a praia de Ossos em Búzios (hoje, a Orla Bardot), Escolas em CABO FRIO ,BÚZIOS e ARRAIAL DO CABO além de pavimentação e obras nessas três cidades, pois em meu primeiro mandato Arraial e Búzios ainda eram nossos distritos.

Talvez eu até esteja sendo muito severo comigo ao incluir meu nome no grupo dos prefeitos e políticos que se acomodou e não tentou criar uma forte receita interna que tornasse Cabo Frio independente da Petrobras. Por exemplo, só para lembrar aos cabofrienses, a maior riqueza que tivemos com o petróleo nesses 30 anos esteve nas mãos do ex-prefeito Marquinho Mendes já que foi nos oito anos do governo dele que a cidade passou a receber a cota especial (indenização por um grande poço) a famosa trimestral valor de R$ 25/40 milhões, além da cota mensal que pulou do nosso ultimo mês dezembro de R$ 5 Milhões para mais de R$ 13 milhões. Então, fomos uma cidade super rica em arrecadação. Infelizmente agora, o que era uma receita de R$ 40 milhões a cada três meses caiu e passou para R$ 14 milhões; e o que era um repasse de R$ 13/18 milhões mensais passou para apenas R$ 10/11 milhões. Quando digo que estou sendo severo comigo é simplesmente porque no período 2005/2012, o governo anterior não fez um único investimento no turismo, nosso principal caminho para chegarmos a uma vida economicamente própria e independente. Deixei um programa de investimentos nessa área, mas ele abandonou.

ELE NÃO FEZ UMA ÚNICA OBRA OU ÚNICO INVESTIMENTO NO TURISMO, E O PIOR: DEIXOU O QUE FIZEMOS ACABAR E AINDA JOGOU PRATICAMENTE FORA TODA FORTUNA QUE A PREFEITURA ARRECADOU NOS SEUS OITO ANOS “GOVERNANDO”, um grande crime contra a cidade!

Quando digo que estou sendo severo me incluindo no grupo de quem nada fez, é porque ao contrário deles, enquanto governei, foquei nesse objetivo, na nossa independência através do turismo. Vejamos só; construímos todas as ORLAS DA CIDADE, O AEROPORTO, O BOULERVARD CANAL, A PRAÇA DOS QUIOSQUES, A PRIMEIRA ENTRADA COM DUAS PISTAS PARA A CIDADE COMO AV. AMÉRICA CENTRAL, A ORLA DO MALIBU E O CANTO DO FORTE, A PRAÇA DAS ÁGUAS, A PONTE MÁRCIO CORRÊA, O SHOPPING DOS BIQUÍNIS, NA GAMBOA, A SEGUNDA ENTRADA DA CIDADE – AV. WILSON MENDES, O TERMINAL PARA TRANSATLÂNTICOS E, ainda como entendia que para se fazer um turismo forte o esporte e a cultura não poderiam ficar de fora do projeto, ainda construímos o ESTÁDIO CORREÃO, O GINÁSIO POLIESPORTIVO MUNICIPAL E O TEATRO MUNICIPAL. Ficou faltando apenas o Centro de Convenções.

Quero aqui não culpar tanto o Ivo e o Zé Bonifácio, pois os dois não receberam em seus governos as cotas trimestrais , apesar de, também sem a cota trimestral, em meus oito anos de administração, ter conseguido só com a mensal, fazer tudo que foi demonstrado acima e ainda conseguir mudar Cabo Frio. Se por três décadas fomos tímidos nos investimentos em turismo e ainda ficamos por oito anos ESTAGNADOS no governo” MM ” temos agora a obrigação de correr contra o tempo e recuperar nossa economia através de um TURISMO FORTE!