SERVIDORES EM ESTADO DE GREVE

O SEPE decidiu na última semana pela paralização de um dia e manter-se em estado de greve. É o caso de perguntar: onde estão os presidentes dos sindicatos Olney Viana, do Sindicaf, e Mazinho da Saúde? Estão pouco se lixando vendo seus associados sem receber nas datas combinadas as parcelas anteriores, como não estão ligando em não estarem tendo os salários em dia. Os servidores precisam saber que os dois foram atuantes nos protestos e greves contra o meu governo só porque ficaram revoltados porque retirei dos dois falsos líderes os seus contratos e portarias dos seus familiares. Hoje estão caladinhos, caladinhos! Imagino que o que cortei deles durante meu governo foi devolvido à eles pelo atual governo. Só temos essa explicação para o comportamento apagado e vexatório dos mesmos deixando seus associados sem representação e, por isso, desrespeitados nos seus direitos. Enfrentei várias greves mas sempre mostrei a todos que as paralizações eram motivadas pela perda de R$ 250 MILHÕES/ANO com o petróleo. O Interessante é que apesar do PCCR ter sido implantado no primeiro trimestre e a folha de pessoal aumentando em mais R$ 10 MILHÕES/mês, ainda assim, fizemos mais de 150 obras e pagamos  os salários em dia até acontecer o rombo da Petrobrás, não justificando por isso o não cumprimento do que foi acordado com os servidores em relação ao que a prefeitura ficou devendo do ano passado. O Governo atual  arrecadou nos quatro primeiros meses R$ 200 MILHÕES ja o valor das folhas de janeiro/fevereiro/ março e abril não chegou  a R$ 100 Milhões de reais, então precisam explicar porque não quitaram tudo com os servidores, se sabemos que não terão nova oportunidade de fazê-lo, isso porque não haverá outra arrecadação extra. Comigo protestaram quando não tive dinheiro para pagar, agora surpreendentemente nada fizeram mesmo sabendo  que a arrecadação seria muito  maior! Os sindicatos precisam explicar porque nada fizeram enquanto os servidores estavam sendo tapeados. Boa noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*